DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE OS PROCEDIMENTOS

Frequently asked questions

ABDOMINOPLASTIA (CIRURGIA PLÁSTICA ABDOMINAL)

- Quantos quilos vou emagrecer com a dermolipectomia abdominal?
R: Sendo uma cirurgia que retira determinada quantidade de pele e gordura, evidentemente haverá uma redução no peso corporal, que varia de acordo com o volume do abdômen de cada paciente. Não são, entretanto, os “quilos” retirados que definirão o resultado estético, mas sim as proporções do abdômen com o restante do tronco e os membros. Paradoxalmente, o abdômen que apresenta melhor resultado estético é justamente aquele em que se faz as menores retiradas.

A maioria das mulheres apresenta certa flacidez do abdômen após o parto, com predominância de pele sobre a quantidade de gordura localizada na região. Esses casos nos permitem excelentes resultados. Em outros casos, em que o paciente está com o peso acima do normal, o resultado também será compensatório e proporcional ao restante do corpo. Entretanto, vale a pena lembrar que excesso de gordura em outras regiões vizinhas do abdômen ainda existirão, o que nos leva a aconselhar àquelas que assim se apresentem a prosseguir com um tratamento clínico ou fisioterápico, para equilibrar as diversas partes entre si.


- A cirurgia do abdômen deixa cicatriz muito visível?
A cicatriz resultante de uma dermolipectomia localiza-se horizontalmente, logo acima da implantação dos pelos pubianos, prolongando-se lateralmente em maior ou menor extensão, dependendo do volume do abdômen a ser corrigido. Essa cicatriz é planejada para ficar disfarçada sob as roupas de banho e infalivelmente passará por vários períodos de evolução:


A) PERÍODO IMEDIATO: Vai até o 30º dia e apresenta-se com aspecto excelente e pouco visível. Alguns casos apresentam discreta reação aos pontos ou ao curativo.


B) PERÍODO MEDIATO: Vai do 30º dia até o 12º mês. Neste período haverá espessamento natural da cicatriz, bem como mudança na tonalidade de sua cor, passando de vermelho para marrom, que vai, aos poucos, clareando. Esse período, o menos favorável da evolução cicatricial, é o que mais preocupa as pacientes. Como não podemos apressar o processo natural da cicatrização, recomendamos às pacientes que não se preocupem, pois o período tardio se encarregará de diminuir os vestígios cicatriciais.


C) PERÍODO TARDIO: Vai do 12º ao 18º mês. Nesse período, a cicatriz começa a ficar mais clara e menos consistente atingindo, assim, o seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo da cirurgia do abdômen deverá ser feita após esse período.


- Em quanto tempo atingirei o resultado definitivo?
Na resposta anterior foram feitas algumas ponderações sobre a evolução da cicatriz. Entretanto, resta ainda acrescentar algumas observações sobre o novo abdômen, no que tange à sua consistência, sensibilidade, volume, etc.


1 - Nos primeiros meses, o abdômen apresenta uma insensibilidade relativa, além de estar sujeito a períodos de inchaço, que regridem espontaneamente.


2 - Nessa fase, poderá ficar com aspecto esticado ou plano. Com o decorrer dos meses, tendo iniciado os exercícios orientados para modelagem, gradativamente se atinge o resultado definitivo. Nunca se deve considerar como definitivo qualquer resultado antes de 12 meses de pós-operatório.


- É verdade que será feito um novo umbigo?
Não. O seu próprio umbigo será transplantado e, se necessário, remodelado. Deve-se levar em conta que, circundando o umbigo existirá uma cicatriz que sofrerá a mesma evolução da cicatriz inferior (descrita no item nº. 2). Várias técnicas existem para a reimplantação do umbigo. Todas elas são passíveis de futuras revisões cirúrgicas, caso seja necessário. Isso acontece em decorrência da anomalia na evolução cicatricial de certas pacientes, e é passível de correção, mediante uma pequena cirurgia sob anestesia local, após alguns meses.


- A dermolipectomia abdominal corrige aquele excesso de gordura sobre a região do estômago?
Nem sempre. Isso depende do seu tipo de tronco (conjunto tórax + abdômen). Se ele for do tipo curto, dificilmente será corrigido. Sendo do tipo longo, o resultado será mais favorável. Também tem grande importância, sob este aspecto, a espessura do panículo adiposo (espessura da gordura) que reveste essa área do corpo.


- Qual o tipo de maiô que poderei usar após a cirurgia?
O tipo de maiô dependerá exclusivamente de seu próprio manequim. É claro que os decotes inferiores mais generosos (tangas) ficarão por conta dos casos em que os resultados sejam mais naturais. Lembre-se que o bisturi do cirurgião apenas aprimora suas próprias formas, que poderão ser melhoradas ainda mais, com cuidados de uma esteticista ou fisioterapeuta, desde que se associe estes tratamentos complementares logo nas primeiras semanas após a cirurgia.


- Poderei ter filhos futuramente? o resultado não ficará prejudicado?
O médico ginecologista poderá orientá-la sobre a conveniência ou não de nova gravidez. Quanto ao resultado, poderá ser preservado, desde que, na nova gestação, seu peso seja controlado por aquele especialista. Aconselhamos, entretanto, que tenha todos os filhos programados antes de se submeter a uma dermolipectomia abdominal.


- Ouvi dizer que o pós-operatório da dermolipectomia abdominal é muito doloroso. É verdade?
Não. Uma dermolipectomia de evolução normal não deve apresentar dor. O que existe é um grande equívoco por parte de certas pacientes, que são operadas simultaneamente de cirurgias ginecológicas associadas à dermolipectomia e relatam, por isso, dores pós-operatórias. Nem todos os cirurgiões costumam recomendar esta associação de cirurgias, por constituírem certo risco operatório, além de apresentarem inconvenientes como dores e resultados menos favoráveis.


- Que tipo de anestesia é utilizada para esta operação?
Anestesia peridural com sedação, ou geral.


- Quanto tempo dura o ato cirúrgico?
Duas horas.


- Qual o período de internação?
Cerca de 24 horas.


- São utilizados curativos?
Sim. Nas primeiras 24 horas, assim como o uso de drenos.


- Quando são retirados os pontos?
A retirada dos pontos poderá ser iniciada em torno do oitavo dia, devendo ser feita de maneira seletiva, nos dias que se seguem. Raramente a retirada total passa de duas semanas.


- Quando poderei tomar banho completo?
No dia seguinte à cirurgia.


- Qual a evolução pós-operatória?
Não deve se esquecer que, até que se consiga atingir o resultado almejado, diversas fases são características deste tipo de cirurgia. No item 2, foi informado sobre a evolução cicatricial (até o 18º mês). No item 3, sobre a evolução da forma do abdômen, bem como a sensibilidade, a consistência, etc. Entretanto, poderá ocorrer alguma preocupação no sentido de desejar atingir o resultado final antes do tempo previsto. Seja paciente, pois seu organismo se encarregará de dissipar todos os pequenos transtornos intermediários que, infalivelmente, chamarão a atenção de alguma pessoa que não se furtará à observação: “Será que isso vai desaparecer mesmo?”. É evidente que toda e qualquer preocupação de sua parte deverá ser a nós transmitida. Daremos os esclarecimentos necessários para sua tranquilidade.

Em tempo: Em algumas pacientes ocorre uma certa ansiedade nesta fase, decorrente do aspecto transitório (edema, insensibilidade, aspecto cicatricial, etc.). Isso é passageiro e, geralmente, reflete o desejo de atingir o resultado final o quanto antes. Lembre-se que nenhum resultado de cirurgia do abdômen deverá ser considerado como definitivo antes dos 12 meses. Em caso de pacientes muito obesas, poderá ocorrer, após o oitavo dia, a eliminação de razoável quantidade de líquido amarelado por um ou mais pontos da cicatriz. Esse fenômeno nada mais é do que o transudamento cirúrgico e a liquefação da gordura residual próxima à área da cicatriz que está sendo eliminada, sem que isso venha a se constituir como complicação. Existem recursos para evitar que esse vazamento venha a ocorrer em situações inoportunas.


- Quando são retirados os pontos?
Em torno do sétimo dia.

BLEFAROPLASTIA (CIRURGIA DE PÁLPEBRA)

- Existe uma idade ideal para se operar as pálpebras?
Não existe uma idade ideal, o que existe é a oportunidade ideal. Essa oportunidade é determinada pela presença do defeito a ser corrigido e geralmente ocorre após a terceira década.

- As cicatrizes são visíveis? Onde se localizam?
Como a pele das pálpebras é de espessura muito fina, as cicatrizes tendem a ficar praticamente disfarçadas nos sulcos da pele. Para isso, deve ser aguardado o período de maturação da cicatriz (três meses). Por conta da sua localização, são passíveis de serem disfarçadas com uma maquiagem leve desde os primeiros dias.

- Qual o tipo de anestesia?
Pela extensão da cirurgia e boa qualidade dos anestésicos, a maioria dos procedimentos é por meio de anestesia local (em alguns casos, com uma sedação prévia). Dependendo da vontade do paciente pode ser feita anestesia geral. Reserva-se essa última conduta para os casos em que clinicamente é contraindicada a anestesia local ou quando a blefaroplastia for feita de forma simultânea a outras cirurgias.

- Há dor no pós-operatório?
Geralmente não. Mesmo que ocorra uma sensibilidade maior ou pequenos surtos de dor, eles poderão ser perfeitamente abolidos com o uso de analgésicos comuns. O médico irá prescrever qual o mais indicado. O paciente não deve se automedicar.

- Os olhos ficam muito inchados? Por quanto tempo?
O edema (inchaço) dos olhos varia de paciente para paciente. Existem pessoas que já apresentam aspecto bastante natural no quarto ou quinto dia. Outros atingem bom resultado após o oitavo dia. O inchaço costuma ser maior nos três primeiros dias do pós-operatório. O uso de óculos escuros poderá ser útil nessa fase, assim como a utilização de compressas frias para diminuir a intensidade do edema. Somente após o terceiro mês é que será possível dizer que o edema residual é discreto.

- Qual o período de internação?
De quatro a oito horas quando há anestesia local.

- Quanto tempo dura a cirurgia?
Normalmente, em torno de 90 minutos. Dependendo do caso, há detalhes que podem prolongar esse tempo. Importante ressaltar que o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de centro cirúrgico. Essa permanência envolve também o período de preparação anestésica e a recuperação pós-operatória.

- O que são as manchas roxas ou avermelhadas observadas em certos casos?
Nada mais são do que a infiltração do sangue na pele subjacente e, mesmo na conjuntiva ocular, que estão ligadas ao trauma cirúrgico. Isso, entretanto, não constitui qualquer problema futuro e não é considerado complicação. É uma intercorrência transitória e reversível.

- Quando atingirei o resultado definitivo?
Após o terceiro mês. Entretanto, logo após o oitavo dia já teremos aproximadamente 25% do resultado almejado. Nas duas ou três semanas subsequentes esse percentual tende a melhorar acentuadamente.

- Os olhos ficarão ocluídos após a cirurgia?
Não obrigatoriamente. Pode ser recomendada a colocação de compressas frias por alguns minutos, várias vezes ao dia. Isso é feito pelo próprio paciente, como profilaxia do edema acentuado.

- Afinal, o resultado compensa?
Se você está ciente do que deseja e o cirurgião puder propiciar o que você pediu, sem dúvida, compensa. Entretanto, é importante levar em consideração o fato de que a cirurgia das pálpebras não proporciona rejuvenescimento geral à face quando é executada isoladamente. Muitos pacientes esperam o resultado do rejuvenescimento apenas com a blefaroplastia.
O rejuvenescimento da face implica em outras condutas associadas à blefaroplastia. Os “pés de galinha”, mesmo que devidamente operados, nunca desaparecerão, ficando ainda o estigma, devido à ação do músculo orbicular e à perda da elasticidade da pele remanescente.

GINECOMASTIA (CIRURGIA DE REDUÇÃO DE MAMA MASCULINA)

Como será a cicatriz?
Em alguns casos de ginecomastia com componente dominante gorduroso é feita apenas uma pequena incisão de 6 mm de comprimento onde é introduzida uma cânula de lipoaspiração. No entanto, em alguns pacientes, é necessário associar a lipoaspiração da área com uma cicatriz em “meia-lua” em torno da aréola.

- A cicatriz vai ser visível?
Apesar de bem posicionada, uma cicatriz sempre é perceptível, tornando-se com o tempo cada vez mais dissimulada.

- Qual o tipo de anestesia?
Local com sedação, peridural ou geral, de acordo com cada paciente.

- Qual o período de internação hospitalar?
De 12 a 24 horas.

- Há necessidade de repouso no pós-operatório?
Sim. É necessário repouso dos braços de uma semana a 10 dias, assim como o uso de tensor na região.

GLUTEOPLASTIA (CIRURGIA DE PRÓTESE DE GLÚTEO)

- Quais pacientes têm indicação para a inclusão glútea?
Cada caso tem que ser avaliado adequadamente, de acordo com o objetivo desejado, considerando também flacidez da pele, músculos da região, assimetrias e presença de irregularidades na superfície da pele.

- Existe limite no volume a ser implantado?
Sim. Existe limite por não ser uma área tão distensível quanto a mama. A pele dessa região é menos elástica e a camada muscular e a adiposa são mais espessas e densas.

- Por onde a prótese é colocada?
Através de uma incisão que varia de sete a 10 centímetros de comprimento e que fica bem dissimulada no sulco entre as nádegas, permitindo o uso de biquínis.

- Em qual posição ela fica na região das nádegas? Ela fica visível ou perceptível?
Ela é introduzida no plano intramuscular. Se estiver bem posicionada, não é possível perceber a presença da prótese, nem através do toque.

- Nós podemos escolher o tamanho e o formato do novo “bumbum”?
As próteses glúteas podem ter o formato oval ou redondo e o volume é variável de 180 a 300ml. Na consulta pré-operatória, cabe ao cirurgião discutir e orientar sobre cada particularidade da paciente. É possível, inclusive, utilizar próteses medidoras (testes) com roupas justas para identificar a melhor forma e o volume da prótese.

- A inclusão da prótese elimina a celulite das nádegas?
A prótese é aplicada num plano anatômico abaixo da região de desenvolvimento da celulite. Portanto, ela não tem o poder de melhorar ou corrigir esse problema.

- Quais as complicações mais frequentes?
As complicações da inclusão de prótese glútea são as mesmas de qualquer procedimento cirúrgico. A principal preocupação do cirurgião plástico é situá-la no plano anatômico apropriado, impedindo seu deslocamento. Por isso, é necessário repouso nos primeiros dias de pós-operatório.

- Quais os cuidados no pós-operatório?
Nos primeiros cinco dias de pós-operatório a paciente deve evitar sentar ou deitar sobre as próteses, e dormir de lado ou de bruços. As primeiras atividades físicas, como dirigir, só são permitidas após 15 dias, pelo menos. E é necessária a utilização de uma cinta cobrindo toda a região glútea por, pelo menos, 20 dias.

- Há contraindicação no pós-operatório?
Passado o período de recuperação, não há qualquer contraindicação aos diversos tipos de exercícios, incluindo os para o bumbum. No entanto, deve-se evitar a utilização de injeção no plano muscular da região glútea para não perfurar a prótese.

- Qual o tipo de anestesia utilizada?
Anestesia peridural.

- Quanto tempo dura a cirurgia e quanto tempo fico internada?
A cirurgia demora cerca de duas horas e a internação hospitalar é de 24 horas.

LIPOASPIRAÇÃO E LIPOESCULTURA

- Quantos quilos vou emagrecer com a lipoescultura?
Sendo uma cirurgia que retira determinada quantidade de gordura, evidentemente, haverá uma redução no peso, que varia de acordo com o volume corporal de cada paciente. Não são, entretanto, os “quilos” retirados que definirão o resultado estético, mas sim as proporções que cada área determinada mantém com o restante do tronco e os membros.
As mulheres que apresentam certo abaulamento no abdomên ou em outras partes do tronco, assim como nos quadris e na parte superior das coxas, poderão ter uma pele firme ou eventualmente flácida.
A verificação da qualidade da elasticidade da pele, da quantidade de gordura e da sua localização nos permite avaliar o resultado. Há casos em que o paciente está com o peso acima do normal. Sendo assim, recomendamos um equilíbrio prévio antes da cirurgia e indicamos prosseguir com um tratamento clínico ou fisioterápico. Há casos em que é retirada gordura de certas áreas para ser injetada em outras regiões que necessitem de maior volume. Parte dessa gordura poderá se reabsorver. É impossível prever o percentual de permanência dessa gordura. Entretanto, são dedicados cuidados especiais no tratamento dessa gordura, a fim de propiciar maior possibilidade de sucesso.

- A lipoescultura deixa cicatriz muito visível?
As cicatrizes resultantes de uma lipoescultura ou lipoaspiração são mínimas, localizadas em diversas partes do corpo, de modo a permitir acesso às áreas a serem operadas. Seu tamanho varia entre cinco e oito milímetros e elas são planejadas para ficarem pouco visíveis.

Saiba mais sobre a evolução da cicatriz
Período imediato: vai até o 30º dia e apresenta-se com aspecto excelente e pouco visível. Alguns casos apresentam discreta reação aos pontos ou ao curativo.

Período mediato: Vai do 30º dia até o 12º mês. Nesse período, haverá espessamento natural da cicatriz, bem como mudança na tonalidade de sua cor, passando de “vermelho” para o “marrom”, que vai, aos poucos, clareando. Esse período, o menos favorável da evolução cicatricial, é o que mais preocupa as pacientes. Como não podemos apressar o processo natural da cicatrização, recomendamos às pacientes que não se preocupem, pois o período tardio se encarregará de diminuir os vestígios cicatriciais.

Período tardio: Vai do 12º ao 18º mês. Nesse período, a cicatriz começa a ficar mais clara e menos consistente, atingindo o seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo deverá ser feita após esse período.

- Em quanto tempo atingirei o resultado definitivo?
Na resposta anterior foram feitas algumas ponderações sobre a evolução da cicatriz. Resta acrescentar algumas observações sobre as áreas tratadas, no que tange à sua consistência, sensibilidade, volume, etc. Nas primeiras semanas ou mesmo meses, essas áreas, além de estarem sujeitas a períodos de inchaço, poderão apresentar alguns pontos mais densos que só costumam ser perceptíveis com a palpação e tendem a desaparecer após o terceiro mês.
Com o decorrer dos meses e a realização das devidas drenagens linfáticas e os exercícios orientados para modelagem, gradativamente se atinge o resultado definitivo. Nunca se deve considerar como definitivo qualquer resultado antes de seis meses do pós-operatório.

- A lipoaspiração corrige aquele excesso de gordura sobre a região do estômago?
Geralmente sim. Dependendo do seu tipo de tronco (conjunto tórax + abdomên), poderemos ter um resultado bastante natural. Também tem grande importância sob este aspecto a espessura do panículo adiposo (espessura da gordura) que reveste o corpo.

- Qual o tipo de maiô que poderei usar após a cirurgia?
Fica a seu critério. Seu manequim lhe dirá.

- Poderei ter filhos futuramente? O resultado não ficará prejudicado?
O resultado poderá ser preservado, desde que na nova gestação seu peso seja controlado por especialista. Se você voltar ao seu peso anterior e sua pele não apresentar flacidez e estrias decorrentes da gravidez, as formas obtidas serão mantidas. Devemos salientar, entretanto, que o corpo da mulher sofre variações da forma com o decorrer do tempo, devido a disposição da gordura nas diversas áreas corporais, principalmente no abdomên, cadeiras e coxas. A cada cinco ou 10 anos, a disposição da gordura no corpo muda de pessoa para pessoa. Mesmo assim, aquele excesso retirado nas áreas devidas, sempre lhe proporcionarão uma melhor evolução, mesmo que você venha a ganhar certo peso.

- O pós-operatório da lipoaspiração é muito dolorido?
Geralmente não. Uma lipoaspiração ou lipoescultura de evolução normal não deve apresentar dor, desde que obedecidas as orientações pós-operatórias. Eventuais incômodos são resolvidos com a utilização de analgésicos e anti-inflamatórios.

- Há perigo nessa operação?
Raramente a lipoaspiração traz sérias complicações, se realizada dentro de critérios técnicos. Isso se deve ao fato de preparar de forma correta cada paciente para o ato operatório, além de ponderarmos sobre a conveniência da associação dessa cirurgia a outras. O perigo não é maior nem menor que qualquer outra cirurgia eletiva, ou mesmo uma viagem de avião ou de automóvel, e até o simples atravessar de uma rua. Entretanto, é importante levar em conta que grandes volumes retirados poderão determinar riscos, tanto no ato operatório quanto no pós-operatório. É consenso, na Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, que o volume total de gordura a ser retirado por sessão não ultrapasse 5% a 7% do peso corporal. O cirurgião deverá esclarecer detalhadamente sobre o volume ideal para cada caso.

- Que tipo de anestesia é utilizada para essa operação?
Anestesia peridural, local assistida ou geral.

- Quanto tempo dura o ato cirúrgico?
Dependendo da extensão das áreas a serem tratadas, o tempo varia de uma a três horas, podendo ser ultrapassado em alguns casos. O tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de centro cirúrgico, pois, é preciso considerar também o período de preparação anestésica e de recuperação pós-operatória.

- Qual o período de internação?
Dependendo da extensão da área aspirada e do tipo de anestesia, o período de internação poderá variar de algumas horas até a um dia.

- São utilizados curativos?
Sim. Curativos semicompressivos com cintas especiais, mantidos por um período que vai de 30 a 45 dias, em média.

- Quando poderei tomar banho completo?
Geralmente no dia seguinte à cirurgia.

- Qual a evolução pós-operatória?
O paciente não deve esquecer que, até que se consiga atingir o resultado almejado, diversas fases são características desse tipo de cirurgia. Já esclarecemos sobre a evolução cicatricial (até o 18º mês) e também sobre questões envolvendo sensibilidade, consistência, etc. Entretanto, poderá ocorrer alguma preocupação no sentido de “desejar atingir o resultado final antes do tempo previsto”. Seja paciente, pois seu organismo se encarregará de dissipar todos os pequenos transtornos intermediários.
É evidente que toda e qualquer preocupação de sua parte deverá ser transmitida ao seu cirurgião plástico, e, somente a ele. É ele o profissional indicado para dar todos os esclarecimentos e garantir a sua tranquilidade. Lembre-se que nenhum resultado deverá ser considerado como definitivo antes dos seis meses. Condutas complementares em academias, com esteticistas ou mesmo com fisioterapeutas poderão melhorar bastante o resultado final, pois, a modelagem muscular é um fator de grande importância no novo contorno corporal.

MAMOPLASTIA REDUTORA (CIRURGIA DE REDUÇÃO DE MAMA)

- A cirurgia de redução mamária deixa cicatrizes?
Essa cirurgia permite que as cicatrizes fiquem bastante escondidas, o que é muito conveniente nos primeiros meses. As cicatrizes passarão, obrigatoriamente, por diversas fases até que se atinja a fase final de maturação.

Período imediato: Vai até o 30º dia e apresenta-se com aspecto pouco visível. Alguns casos apresentam uma discreta reação aos pontos ou ao curativo.

Período mediato: Vai do 30º dia até o 12º mês. Nesse período haverá um espessamento natural da cicatriz, bem como uma mudança na tonalidade de sua cor, passando do “vermelho” para “marrom” e que vai clareando aos poucos. Como não podemos apressar o processo natural de cicatrização, recomendamos às pacientes que não se preocupem, pois, o período tardio se encarregará de diminuir os vestígios cicatriciais.

Período tardio: Vai do 12º ao 18º mês. Nesse período, a cicatriz começa a ficar mais clara e menos consistente, atingindo seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo da cirurgia das mamas deverá ser feita após esse período.

- Onde se localizam as cicatrizes?
Dependendo da técnica empregada, poderemos ter variações quanto às cicatrizes. Normalmente existem cicatrizes situadas em forma de “T” invertido, na parte inferior da mama. Aquela situada em torno da aréola fica bastante disfarçada pela própria condição de transição de cor entre a aréola e a pele normal. Outros tipos de cicatrizes, como em “I”, “L /J” ou periareolares, são viáveis. Desde os primeiros dias de pós-operatório já é possível usar decote, pois as cicatrizes ficam escondidas. Com o decorrer do tempo (vide item anterior), as cicatrizes vão ficando disfarçadas.

- É verdade que algumas pacientes ficam com cicatrizes muito visíveis? Por que isso acontece?
Certas pacientes apresentam tendência à cicatrização hipertrófica ou ao queloide. Essa possibilidade deverá ser avaliada pelo médico na consulta inicial, oportunidade onde são feitas perguntas sobre a vida clínica pregressa do paciente, bem como características familiares, que muito ajudam quanto ao prognóstico das cicatrizes. Pessoas de pele clara não tendem a sofrer complicação cicatricial hipertrófica. Cicatrizes de cirurgias anteriores ou mesmo acidentais ajudam no prognóstico.

- Existe correção para cicatrizes hipertróficas?
Vários recursos clínicos e cirúrgicos nos permitem melhorar cicatrizes inestéticas na época adequada. Não se deve confundir, entretanto, o período mediato da cicatrização normal (do 30º dia até o 12º mês) como sendo uma complicação cicatricial. Qualquer dúvida a respeito da sua evolução deverá ser esclarecida com seu médico e nunca com outras pessoas que, como você, também estão apreensivas quanto ao resultado final.

- Como ficarão minhas novas mamas em relação ao tamanho e consistência?
As mamas podem ter seu volume reduzido através da cirurgia e sua consistência e forma também são melhoradas com a cirurgia. Para os casos de redução de volume da mama e levantamento de sua posição, podemos optar por vários volumes, dentro das possibilidades que a mama original permite planejar, sem comprometê-la futuramente. É importante equilíbrio entre o volume da nova mama e o tamanho do tórax da paciente para maior harmonia estética. Nessa ocasião, procura-se melhorar o aspecto quanto à flacidez e a forma da mama original.

As novas mamas passam por vários períodos evolutivos em relação à sua forma:

Período imediato: Vai até o 30º dia. Nesse período, apesar das mamas apresentarem aspecto bem melhorado, sua forma ainda está aquém do resultado planejado, pois, para que se atinja a forma definitiva, ainda existem pequenos defeitos aparentes iniciais (inevitáveis em todos os casos), que desaparecem com o decorrer do tempo. Lembre-se desta observação: Seu resultado final somente ocorrerá após o período tardio.

Período mediato: Vai do 30º dia até o 8º mês. Nessa fase, a mama começa a apresentar uma evolução que tende à forma definitiva, o que ocorrerá após o 8º mês. Poderá acontecer um aumento ou diminuição da sensibilidade do mamilo, além de maior ou menor grau de “inchaço” das mamas. Além disso, sua forma está aquém da definitiva. Apesar da euforia da maioria das pacientes já nesse período, costumamos dizer a elas que o resultado ficará melhor ainda.

Período tardio: Vai do 8º ao 18º mês. É o período em que a mama atinge seu aspecto definitivo (cicatriz, forma, consistência, volume, sensibilidade). É nesse período que costumamos comparar fotograficamente os casos operados com o aspecto pré-operatório de cada paciente. Tem grande importância no prognóstico do resultado final, o grau de elasticidade da pele das mamas bem como o volume conseguido. O equilíbrio entre ambos varia de acordo com o caso.

- Em quanto tempo atingirei o resultado definitivo?
Apesar do resultado imediato e mediato satisfazerem bastante às pacientes, somente entre o 8º e 18º mês é que as mamas atingirão sua forma definitiva (vide item anterior).

- Qual o tipo de traje de banho que poderei usar após a cirurgia?
No período mediato e tardio qualquer tipo de traje, de uma ou duas peças, desde que a peça superior não fique muito justa. É claro que, após o amadurecimento das cicatrizes, os maiôs poderão ser mais generosos, a seu critério. Nas grandes reduções mamárias, entretanto, a cicatriz horizontal é um pouco mais extensa. Sendo assim, a tendência é a escolha de um maiô que melhor disfarce sua presença.

- No caso de nova gravidez, o resultado permanecerá ou ficará prejudicado?
O ginecologista poderá avaliar sobre a conveniência ou não de nova gravidez. Quanto ao resultado, poderá ser preservado, desde que o médico controle o aumento de peso da paciente na nova gestação. Geralmente não há problema. Quando se tratar de mamas muito grandes, que foram reduzidas acentuadamente, a lactação poderá ficar prejudicada. Em casos de pequenas e médias reduções, a lactação poderá ser preservada. Algumas pacientes poderão apresentar diminuição da sustentação da pele mamária.

- O pós-operatório da cirurgia mamária é dolorido?
Geralmente não, desde que você obedeça às instruções médicas, principalmente no que tange à movimentação dos braços nos primeiros dias.

- Há perigo nessa operação?
Raramente a cirurgia plástica mamária sofre complicações sérias. Isso se deve ao fato de preparar convenientemente cada paciente, além de ponderar sobre a conveniência de associação dessa cirurgia a outras. O perigo não é maior ou menor que viajar de avião, automóvel, ou atravessar uma via pública.

- Qual o tipo de anestesia utilizada?
Anestesia local, geral, peridural ou associada, a critério do cirurgião.

- Quanto tempo dura o ato cirúrgico?
Em média de uma a duas horas. Mas, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de centro cirúrgico, pois, esta permanência envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória. Seu médico poderá lhe informar quanto ao tempo total.

- Qual o período de internação?
24 horas.

- São utilizados curativos?
Sim. Com fita micropore e sutiã apropriado.

- Quando são retirados os pontos?
São retirados do 8º ao 12º dia, sem maiores incômodos.

- Quando tomarei banho completo?
No dia seguinte à cirurgia.

- Qual a evolução pós-operatória?
Você não deve esquecer que, até que se atinja o resultado almejado, as mamas passarão por diversas fases. Se ocorre a preocupação no sentido de desejar atingir o resultado definitivo antes do tempo previsto, não faça disso motivo de sofrimento. Tenha a devida paciência, pois, seu organismo se encarregará espontaneamente de dissipar todos os transtornos imediatos. É evidente que toda e qualquer preocupação de sua parte deverá ser transmitida ao cirurgião, que dará os esclarecimentos necessários para sua tranquilidade.

- Quando poderei retornar aos meus exercícios?
Depende do tipo de exercícios. Aqueles relativos aos membros inferiores, poderão ser reiniciados entre 10 e 15 dias, evitando-se o alto impacto. Os exercícios que envolvam o tórax, geralmente devem aguardar entre 30 e 45 dias.

MASTOPLASTIA ESTÉTICA DE AUMENTO (CIRURGIA DE AUMENTO DE MAMA)

- A cirurgia de aumento das mamas deixa cicatrizes?
Felizmente, este procedimento deixa as cicatrizes bem disfarçadas, o que é muito conveniente nos primeiros meses. Para melhor esclarecê-la sobre a evolução cicatricial, vamos relatar os diversos períodos pelos quais as cicatrizes infalivelmente passarão:
Período imediato: Vai até o 30º dia e apresenta-se com aspecto pouco visível. Alguns casos apresentam uma discreta reação aos pontos ou ao curativo.

Período mediato: Vai do 30º dia até o 12º mês. Neste período, há o espessamento natural da cicatriz, bem como o início de uma mudança de cor dela, passando para mais escuro (do vermelho para o marrom) que vai, aos poucos, clareando. Este período, o menos favorável da evolução cicatricial, é o que mais preocupa as pacientes. Como não podemos apressar o processo natural da cicatrização, recomendamos às pacientes que não se preocupem, pois, o tempo vai diminuir as marcas.

Período tardio: Vai do 12º ao 18º mês. Neste período, a cicatriz começa a ficar mais clara e menos consistente, atingindo, assim, o seu aspecto definitivo. Qualquer avaliação do resultado definitivo da cirurgia, no tocante à cicatriz, deverá ser feita após este período.

- Onde se localizam as cicatrizes?
Alguns cirurgiões as situam no polo inferior da mama e no sulco formado entre a mama e o tórax. Outros, na área da aréola, e até mesmo na axila. Desde os primeiros dias pós-operatórios poderá ser usado um “decote”, pois, as cicatrizes ficam disfarçadas. Com o decorrer do tempo (de acordo com o item anterior), as cicatrizes vão ficando menos visíveis.

- Ouvi dizer que algumas pacientes ficam com cicatrizes muito visíveis.
Certas pacientes apresentam tendência à cicatrização hipertrófica ou ao queloide. Essa tendência, entretanto, poderá ser avaliada, até certo ponto, durante a consulta inicial, quando são feitas uma série de perguntas sobre sua vida clínica pregressa, bem como a análise das características familiares, que muito ajudam quanto ao prognóstico das cicatrizes. Geralmente, pessoas de pele clara não tendem a esta complicação cicatricial; pessoas de pele morena têm maior predisposição ao queloide ou à cicatriz hipertrófica. Isto entretanto, não é uma regra absoluta. A análise dos antecedentes, como já o dissemos, nos facilitará o prognóstico cicatricial, assim como a análise de eventuais cicatrizes prévias.

- Existe correção para as cicatrizes hipertróficas e queloides?
Vários recursos clínicos e cirúrgicos permitem melhorar cicatrizes inestéticas, na época adequada. Não se deve confundir, entretanto, com a evolução natural do período mediato da cicatrização. Qualquer dúvida a respeito da sua evolução cicatricial deverá ser esclarecida com o cirurgião, que fará a avaliação do estado em que se encontra a cicatriz.

- Como ficarão minhas novas mamas, em relação ao tamanho e consistência?
As mamas terão o volume aumentado por meio da cirurgia, melhorando sua consistência e forma após o procedimento. Neste caso, pode-se escolher o novo volume, pois dispõe-se de vários tamanhos de próteses de silicone a serem introduzidas. Deverá existir uma harmonia entre o volume das mamas e o tamanho do tórax, característica esta que deve ser preservada no planejamento da cirurgia. Deverão ser mantidas as proporções entre o volume da nova mama e o tamanho do tórax de cada paciente, a fim de se obter uma maior harmonia estética.

- Em quanto tempo atingirei o resultado definitivo?
Apesar do resultado imediato ser muito bom, somente na fase mencionada como "período tardio" (como mencionado anteriormente) é que as mamas atingirão sua forma definitiva.

- No caso de nova gravidez, o resultado permanecerá ou ficará prejudicado?
Geralmente, não há problema de uma nova gravidez interferir no resultado, já que a cirurgia é realizada habitualmente "fora do tecido mamário".

- O pós-operatório desta cirúrgica é doloroso?
Geralmente não. Este pós-operatório é confortável, desde que sejam obedecidas as instruções médicas, principalmente, no que tange à movimentação dos braços, nos primeiros dias. Eventualmente, poderá ocorrer manifestação dolorosa, que facilmente cederá com os analgésicos receitados pelo seu médico. Evite a automedicação.

- Há perigo nesta operação?
Raramente a cirurgia plástica de aumento mamário possui sérias complicações. Isto se deve ao fato de se preparar corretamente cada paciente, além de ponderarmos sobre a conveniência ou não da utilização das próteses de silicone, assim como sobre suas eventuais complicações.

- Qual o tipo da anestesia utilizada?
Anestesia geral, peridural ou local, dependendo do caso.

- Quanto tempo dura o ato cirúrgico?
Em média de uma a duas horas. Mas, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de centro cirúrgico, pois, esta permanência envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória. Seu médico poderá lhe informar quanto ao tempo total.

- Qual o período de internação?
De meio-dia a 24 horas.

- São utilizados curativos?
Sim. Curativos com fita micropore e sutiã apropriado.

- Quando são retirados os pontos?
Geralmente os pontos são retirados até o oitavo dia do pós-operatório.

- Quando poderei tomar banho completo?
No dia seguinte à cirurgia.

- Qual a evolução pós-operatória?
Você não deve se esquecer que, até que se atinja o resultado almejado, as mamas passarão por diversas fases (como descritos nos itens 1 e 5). Se lhe ocorrer a preocupação no sentido de “desejar atingir o resultado definitivo antes do previsto", não faça disto motivo de sofrimento: tenha a devida paciência, pois seu organismo se encarregará espontaneamente de dissipar todos os transtornos imediatos. É evidente que toda e qualquer preocupação de sua parte deverá ser transmitida ao seu médico, que lhe dará os esclarecimentos necessários para sua tranquilidade.

- Quando poderei retornar aos meus exercícios?
Depende do tipo de exercício. Aqueles relativos aos membros inferiores, poderão ser reiniciados entre 10 e 15 dias

MENTOPLASTIA DE AUMENTO (CIRURGIA DE AUMENTO DE QUEIXO)

- Onde se localizam as cicatrizes?
Poderá ser feita uma cicatriz interna (dentro da boca) ou mediante uma pequena incisão na parte inferior do queixo. Ficará a critério do cirurgião plástico a indicação da cicatriz.

- Qual o tipo de anestesia?
Geralmente, essa cirurgia é indicada em pacientes adultos. Por se tratar de correção exclusivamente do mento, a anestesia aplicada é a local (com ou sem sedação prévia, dependendo do caso). Se associada a outras cirurgias, o cirurgião ponderará quanto à conveniência de se realizar o ato cirúrgico sob anestesia local ou geral.

- Como é a peça de silicone que será introduzida?
O cirurgião geralmente modela a peça ou utiliza peças pré-moldadas (existem vários tamanhos), que podem ser apresentadas ao paciente durante as entrevistas pré-operatórias.

- O silicone é perigoso? Não poderá ocasionar câncer?
Há mais de 50 anos vem sendo empregado o silicone na forma sólida, em todo o mundo, com milhares de pacientes operados, sem que tenha assinalado a presença de ação cancerígena do silicone. Trata-se de substância inerte ao organismo e que se mantém em seu lugar de introdução, dentro de uma cápsula fibrosa que o próprio organismo se encarrega de elaborar, logo nos primeiros dias. Raros são os casos de eliminação da peça. Quando isto acontece (geralmente devido a problemas no pós-operatório imediato por infecção, traumatismo sobre a área operada, hemorragia, etc.), retira-se a peça mediante simples cirurgia sob anestesia local, sem deixar qualquer sequela. Posteriormente, poderá ser reintroduzida nova peça. O silicone, na forma líquida, é condenado para uso médico.

- Há dor no pós-operatório?
Geralmente não. Mesmo que ocorra um pequeno desconforto, poderemos neutralizá-lo com o uso de analgésicos comuns.

- E os curativos?
Costuma-se fazer um tipo de curativo local de manutenção com fins de ajudar a manter a prótese fixada. Além do mais, este curativo serve de proteção a eventuais traumatismos que possam ocorrer nos primeiros dias.

- Quantos dias deverei ficar de repouso?
Dependendo da atividade, apenas um dia. Casos especiais poderão determinar cuidados relativos de quatro a cinco dias, sem contudo necessitar de repouso absoluto.

- Qual o maior cuidado que se deve tomar antes da operação?
Informar ao seu cirurgião plástico quanto à intercorrência de algum dente, principalmente da arcada inferior, infeccionado ou inflamado. Caso ocorra esta eventualidade, solicitar ao dentista que a trate, antes mesmo de procurar o médico para a cirurgia de mentoplastia de aumento.

- Minha fisionomia mudará muito com esta cirurgia?
Não deverá ocorrer grandes alterações fisionômicas. Apenas haverá um melhor equilíbrio de sua fisionomia, mantendo suas características individuais.

- Esta cirurgia poderá ser associada à rinoplastia?
Em muitos casos o próprio cirurgião recomenda a associação das duas cirurgias, visando um melhor equilíbrio estético da face. 

OTOPLASTIA (CIRURGIA DE CORREÇÃO DE ORELHA DE ABANO)

A cirurgia da orelha de abano deixa cicatrizes?
A cicatriz dessa cirurgia é praticamente invisível, por localizar-se atrás da orelha, no sulco formado entre ela e o crânio. Além do mais, como se trata de região de pele muito fina, a própria cicatriz tende a ficar quase imperceptível.

- Qual o tipo de anestesia?
Crianças: anestesia geral. Adultos: anestesia local com ou sem sedação (a critério).

- Qual o período de internação?
De quatro a 12 horas.

- Quanto tempo demora o ato cirúrgico?
Geralmente, em torno de 90 a 120 minutos. Entretanto, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de centro cirúrgico, pois, essa permanência envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória. Seu médico poderá informar quanto ao tempo total.

- Há perigo nessa operação?
O perigo não é maior que aquele de se viajar de automóvel, avião ou mesmo o simples ato de atravessar uma rua. São riscos do cotidiano, os quais estamos acostumados a enfrentar.

- Há dor no pós-operatório?
Certo incômodo poderá ocorrer no pós-operatório. Quando houver essa intercorrência, poderemos combatê-la com analgésicos comuns.

- Como é o curativo?
A proteção da cicatriz é feita com curativos pequenos. Protege-se a orelha (principalmente em crianças) nos primeiros dias com uma espécie de touca, com a intenção de evitar traumatismos locais. Em alguns casos, recomenda-se o uso das faixas tipo balé ou tênis.

- Quando são retirados os pontos? Há dor?
Em torno do oitavo dia. Não existe dor na retirada.

- Em quanto tempo se atingirá o resultado definitivo?
Assim que se retira o curativo já é possível atingir cerca de 80% do resultado almejado. Após 12 semanas o resultado será definitivo.

- Não há o risco de voltar o problema do abano após a cirurgia?
Desde que devidamente conduzida a cirurgia, o resultado será definitivo. Convém salientar que uma leve assimetria poderá ocorrer, pois, mesmo as pessoas não operadas e que tenham orelhas normais, não apresentam simetria absoluta. 

RINOPLASTIA (CIRURGIA DE NARIZ)

- A rinoplastia deixa cicatrizes?
Alguns narizes permitem que as cicatrizes fiquem escondidas dentro da cavidade nasal. Nestes casos, não haverá cicatriz aparente. Em outros casos, entretanto, existem cicatrizes externas pouco aparentes, como consequência de incisões (cortes) feitos na columela ou nas asas nasais. Nestes casos, impõe-se a colocação destas cicatrizes externas (pouco visíveis), para se proporcionar um melhor resultado à forma final ou mesmo à fisiologia nasal.

- Poderei escolher, para o meu futuro nariz, a forma que eu desejar?
Não. Existe um equilíbrio estético entre o nariz e a face, equilíbrio este que o cirurgião deve observar, a fim de preservar a naturalidade e autenticidade dessa face. Cada caso é estudado minuciosamente, a fim de que se possa dar ao nariz a melhor forma possível, dentro das exigências da face. Se a sua escolha coincidir com aquele tipo de nariz planejado, sem dúvida seu desejo será atendido. Cirurgião e paciente deverão estar de acordo com o resultado possível de se obter.

- O resultado definitivo em relação à forma e função é imediato?
Não. Várias fases são características do pós-operatório do nariz. Numa 1ª fase (logo após a retirada do gesso, em torno do 7º dia), apesar da correção de vários defeitos estéticos do nariz original, nota-se um edema (inchaço) que vai diminuindo com o passar dos dias e que tende a se normalizar após 6 meses.
Porém, existem pacientes que atingem o resultado definitivo um pouco antes, bem como outros que ultrapassam este período. A persistência ou não do edema transitório por um período mais longo que o normal geralmente não interfere no resultado final.

- Como ficará minha respiração após a cirurgia?
A rinoplastia também, visa, se possível, melhorar as condições respiratórias do paciente. Apesar de haver alguma dificuldade respiratória no pós-operatório mediato (algumas semanas), isto se deve ao fato do "edema" também existir na parte interna do nariz, assim como o movimento de "válvula respiratória" fica prejudicado nesse período, por alteração da elasticidade das asas. Com o decorrer do tempo tende a normalizar-se. Problemas respiratórios poderão estar ligados ao septo que, em certos casos, podem ser corrigidos na cirurgia.
Quando a correção do septo demanda cuidados especiais, a rinoplastia deverá ser feita numa segunda oportunidade, após ter sido corrigido o septo, pelo otorrinolaringologista.

- Sofro de coriza constante. Poderá a cirurgia estética aliviar-me deste sofrimento?
A prática nos mostra que, em alguns casos, após realizada a rinoplastia os sintomas crônicos que vinham incomodando o paciente há anos, podem ser minimizados ou mesmo desaparecer. Isto, entretanto, não poderá ser assegurado para todos os casos. O importante é esclarecer que as funções respiratórias deverão ser preservadas após a rinoplastia.

- Por quanto tempo persiste o resultado obtido?
O resultado de uma rinoplastia persiste por um longo tempo. Após alguns anos, como em qualquer parte do organismo, poderão ocorrer algumas alterações morfológicas na região nasal.

- A rinoplastia é considerada como sendo uma cirurgia pequena ou média? E as complicações?
Raramente a rinoplastia determina sérias complicações. Entretanto, sendo um procedimento cirúrgico, ocasionalmente poderão ocorrer imprevistos na evolução. Felizmente, esses eventuais imprevistos são passíveis de correções posteriores, mediante revisões cirúrgicas, em prol do resultado planejado.
Os possíveis imprevistos não devem ser confundidos com as formas intermediárias pelas quais passa o nariz, no pós-operatório mediato, até que atinja sua forma definitiva.
Quaisquer dúvidas a respeito de uma possível complicação pós-operatória serão esclarecidas pelo seu cirurgião, que se antecipará a informá-lo (a) a respeito disto, sem qualquer constrangimento.

- Qual o tipo de anestesia que se utiliza para a operação?
Tanto a anestesia local quanto a geral ou a associada serão utilizadas. Ficará a critério de cirurgião e paciente decidirem qual o mais indicado em cada caso.

- Quanto tempo demora o ato cirúrgico?
Entre 1 e duas horas. Em alguns casos este tempo é ultrapassado, desde que as circunstâncias assim o exijam. Entretanto, o tempo de ato cirúrgico não deve ser confundido com o tempo de permanência do paciente no ambiente de Centro Cirúrgico, pois, esta permanência envolve também o período de preparação anestésica e recuperação pós-operatória.

- Qual o tempo de internação?
Poderá variar de meio período até 1 dia de internação. Tudo dependerá do tipo de anestesia utilizada e da recuperação do paciente no pós-operatório imediato. Seu médico procurará determinar o tempo de internação, sempre visando seu maior conforto e segurança.

- São utilizados curativos? Quantos?
Quando se realiza o procedimento de fratura, o nariz é mantido imobilizado com gesso, que o recobre totalmente, permanecendo por cerca de 7 a 8 dias, sendo retirado no consultório. Em alguns casos é utilizado o tamponamento nasal, que poderá ser deixado por 24 a 72 horas. Se for realizada a correção simultânea do septo, poderá ser ultrapassado este tempo, com troca de tampões.

- Ouvi dizer que o nariz "sangra" nos primeiros dias. Isto é verdade?
Existe um pequeno sangramento, que é normal nas primeiras 48 horas. Isto, entretanto, não deverá ser motivo de preocupação pois um curativo de proteção, sobreposto a abertura do nariz, é conservado propositadamente, a fim de aparar esse sangramento. Esse curativo adicional poderá ser trocado em casa, tantas vezes quanto necessário.

- Há dor no pós-operatório?
Raramente. A rinoplastia apresenta pós-operatório bastante confortável. Quando ocorrer uma eventual dor, pode-se usar analgésicos, que serão receitados como preventivos.

- Há perigo nesta operação?
Raramente uma cirurgia de rinoplastia determina sérias complicações. Isto se deve ao fato de se preparar convenientemente cada paciente para o ato operatório, além de se ponderar sobre a conveniência de associação desta cirurgia simultaneamente a outras. O perigo não é maior ou menor que uma viagem de avião ou automóvel, ou mesmo um simples atravessar de via pública.

- Em que posição deverei dormir nos primeiros dias?
Sempre com a cabeça discretamente elevada do leito (travesseiro). Manter-se com a face voltada para cima, sempre que possível.

- Quando poderei tomar sol?
Geralmente após o 7º dia pós-operatório, não existe qualquer inconveniente em se expor ao eventual sol da rua. Se a face apresentar equimoses (aquelas manchas características de infiltrado sanguíneo), deverá ser utilizado protetor solar FPS 30 na face, evitando exposição solar direta e diária. Entretanto, para exposições longas (praias, banhos de sol), é aconselhável aguardar um período mínimo de 30 a 45 dias.

- Qual a evolução pós-operatória?
O paciente deve lembrar que até que se atinja o resultado almejado, diversas fases evolutivas são características deste tipo de cirurgia. Edemas (inchaço), "manchas" de infiltrado sanguíneo e dificuldade respiratória nos primeiros dias, por exemplo, são comuns a todos os pacientes; sendo que alguns apresentam estes sintomas com menor intensidade que outros. Esperamos que você esteja neste grupo. Caso não esteja, não se preocupe. Seu organismo se encarregará de dissipar todos os pequenos transtornos que poderão ocorrer. É evidente que toda e qualquer preocupação de sua parte deverá ser transmitida ao cirurgião, e somente a ele, que tem condições de lhe esclarecer e tranquilizá-lo. Em tempo: geralmente existe um período de euforia, logo que se retira o gesso ou o imobilizador (7º dia). Em raros casos, uma discreta ansiedade advém, em decorrência do aspecto transitório do edema e das manchas sanguíneas. Isto é passageiro e geralmente reflete o desejo de se atingir o resultado final o quanto antes. Tenha paciência. Lembre-se que nenhum resultado de cirurgia estética do nariz deverá ser avaliado antes do 6º mês pós-operatório.

- Para finalizar: o resultado da cirurgia estética do nariz compensa?
Evidentemente. A rinoplastia proporciona grande satisfação. Lembre-se no que lhe foi dito anteriormente: cada caso é analisado individualmente na 1ª consulta, ocasião em que lhe são esclarecidos todos os detalhes aqui relatados, assim como dúvidas ocasionais. Desde que se decida a realizar a cirurgia (médico e paciente), é porque o resultado compensa. Caso contrário, deve-se recusar a operação.

RITIDOPLASTIA (CIRURGIA DE REJUVENESCIMENTO DE FACE)

- Quantos anos vou rejuvenescer?
Não é possível, através da cirurgia, transformar uma face de 40 anos em outra de 20. Apesar disto parecer óbvio é importante frisar essa informação, pois não é possível parar "o relógio do tempo". Nenhum cirurgião plástico conseguirá este intento.

- Como ficarão as cicatrizes? Desaparecerão?
A cirurgia plástica visa melhorar o aspecto da flacidez, rugas, sulcos, etc., dando assim um rejuvenescimento à face. As cicatrizes, entretanto, serão permanentes, apesar de irem se tornando cada vez menos visíveis com o decorrer do tempo. Maquiagem e penteado podem ajudar a disfarçar as cicatrizes recentes. Além disso, cada paciente tem uma evolução diferente em relação às cicatrizes, podendo tornar-se praticamente imperceptível em certos casos. Apesar desta advertência prévia, muitos pacientes costumam preocupar-se especificamente com a presença das cicatrizes, no período pós-operatório imediato e mediato.

- Por quanto tempo persiste o resultado?
A cirurgia da face, pescoço e pálpebras retarda visualmente o processo de envelhecimento desses territórios. Retarda, mas não interrompe o processo evolutivo do organismo.

- A cirurgia do rejuvenescimento facial (rugas) é considerada como pequena ou grande cirurgia? Há risco nesta operação?
Raramente a cirurgia de rejuvenescimento determina sérias complicações. Entretanto, sendo um procedimento cirúrgico, ocasionalmente poderão ocorrer imprevistos na evolução. Felizmente, isto geralmente é passível de correções posteriores, mediante revisões cirúrgicas, permitindo-nos obter o resultado almejado. Não existe qualquer obrigatoriedade do cirurgião em intervir posteriormente (retoques, correções ou complementações), desde que a sequela não se deva a imperícia, negligência ou imprudência profissional.

- As fotografias pré e pós-operatórias são importantes?
A única maneira de se avaliar o resultado obtido é por meio da comparação das fotografias pré e pós-operatórias, realizadas sob condições fotográficas idênticas nesses dois períodos. As fotografias dos(as) pacientes fazem parte de seus prontuários médicos.

- Que tipo de anestesia é utilizada para a operação?
Geralmente a anestesia local com sedação e, excepcionalmente, com anestesia geral, dependendo de cada caso. Seu cirurgião deverá sugerir a mais conveniente. O resultado final será o mesmo.

- Qual o tempo de internação?
De 12 a 24 horas.

- São utilizados curativos?
Sim, eles são retirados após as primeiras 24 horas e, a partir deste momento, a face fica exposta.

- Os olhos ficam ocluídos no pós-operatório?
Não obrigatoriamente. Poderá ser recomendada a aplicação de compressas de algodão embebido em água fria sobre os olhos, ou conduta similar, que podem ser trocadas conforme o paciente o deseje. Isto diminui a intensidade do edema pós-operatório sobre os olhos.

- Há dor no pós-operatório?
O pós-operatório geralmente não apresenta problema de dores, desde que o (a) paciente observe as recomendações do cirurgião. Ocasionalmente poderá ocorrer discreta dor, que poderá ser tratada com analgésico de linha comum.

- Quando são retirados os pontos?
A maioria dos pontos das pálpebras é removida entre 48 e 72 horas. Os remanescentes (face, pescoço, couro cabeludo) entre 8 e 12 dias.

- Quando poderá ser utilizada maquiagem?
Para as pálpebras, após 20 dias da retirada dos pontos. Na face, em torno do 30º dia.

- Quando poderão ser lavados e penteados os cabelos?
Entre o segundo e o sétimo dia pós-operatório os cabelos poderão ser lavados e penteados (com certo cuidado). Para secá-los pode ser utilizado secador manual com ar discretamente aquecido. As tinturas somente deverão ser utilizadas após a 4ª semana.

- O corte de cabelo preparatório para a cirurgia é muito extenso? Poderá ser disfarçado no pós-operatório?
Os cabelos são cortados somente nas áreas onde se planeja localizar as cicatrizes. No pós-operatório imediato, este inconveniente poderá ser perfeitamente disfarçado, com penteado adequado.

- Para finalizar: o resultado da cirurgia de rejuvenescimento compensa?
Cada caso é analisado individualmente durante a primeira consulta. Alguns pacientes procuram, com esta cirurgia, ficar “mais bonitos”. Este não é o objetivo fundamental da cirurgia, mas apenas um efeito a mais a que se busca. O cirurgião deve conversar sobre todos os detalhes aqui relatados, bem como as dúvidas eventuais. Desde que se tenha decidido mutuamente a realizar a cirurgia (médico e paciente) é porque o resultado compensa. Caso contrário, a cirurgia deverá ser recusada.

Clínica Enseada

Rua Walter dos Santos Gonçalves, nº 25 - Enseada do Suá - Vitória ES
CEP | Zip Code.  29.050-570
Tel | phone: +55 27 3225-7352/ +55 27 3235-1343/ +55 27 3314-2842/ +55 27 99525-9993


Vitória Apart Hospital

BR 101 Norte, Km 2, Consultório 209 e 210B, Serra ES
CEP | Zip Code.  29.161-900
Tel | phone: +55 27 3348-5335 / Fax: +55 27 3228-1665


Todos os direitos reservados à Clínica Ariosto Santos | 2019
Desenvolvido por Fbrandão Agência Digital